dunasdeitaunas.com.br

Reveillon Dunas de Itaúnas 2013 – 38ª Excursão

Desbrave as dunas de Itaúnas a pé

Além das noitadas de forró, vilarejo capixaba proporciona longas caminhadas a praias desertas e inesquecíveis.

dunas_itaunas_foto_panorama

Descubra

O litoral do Espírito Santo é um dos mais selvagens de todo o Brasil, dono de paisagens de extrema beleza e pouco movimento, apesar de estar muito próximo às principais capitais do País. Ao norte, quilômetros acima da capital Vitória, as praias vão ficando cada vez mais desertas e perfeitas para um período de férias regado à tranquilidade e aventuras junto à natureza.

Os municípios de São Mateus e Conceição da Barra – onde fica Itaúnas, um dos mais procurados locais de férias de todo o Estado – abrigam destinos ímpares para isso. Na região com varrições de restingas e Mata Atlântica, o ecoturismo, aliado ao trekking, é que move toda a estrutura turística. O litoral, que pode se estender até o extremo sul baiano, guarda reservas naturais, enormes dunas e praias paradisíacas. Opções que só podem ser conhecidas em caminhadas pela areia, com disposição e coragem para encarar horas sob o sol.


dunas_itaunas_foto_entrada_ponte

Ao sair da pequena vila de Itaúnas, em direção ao portal de entrada para as dunas, tem início a aventura. O primeiro obstáculo é ultrapassar os primeiros bancos de areia, alguns chegando a 30 metros de altura. Daí a necessidade de se carregar apenas água, um alimento leve e, claro, protetor solar durante as caminhadas. Do alto das formações arenosas a vista é incrível para todos os lados que o olhar alcançar. No sobe e desce é possível cruzar a divisa baiana, chegando a praias desertas que recebem a visita do sol o ano inteiro. Caso da praia de Itaúnas, onde, além de poucos quiosques, não se vê mais nada além de mar, areia e céu azul intenso.

Conheça também: Praias calmas e boa mesa em Vitória

Quem quer encarar um trekking mais pesado deve seguir para o norte, em direção a Riacho Doce, na divisa com a Bahia, até chegar à chamada Costa Dourada. O percurso total (ida e volta) é feito, em média, em seis horas, dependendo do tempo levado para aproveitar toda a paz transmitida pelo silêncio harmonioso, quebrado apenas pelo barulho do mar.


dunas_itaunas_foto_praia

Ao longo dos 10 km de caminhada a altura das dunas e o sol escaldante não dão trégua e o uso do tênis se mostra primordial. À medida que nos afastamos do ponto de partida pouco se ouve algum som que não seja a própria respiração, concentrada nos passos curtos. O vento, movimentando toda a massa de areia, refresca e disfarça o calor.

No fim do trajeto (de ida), é possível refrescar-se ainda nas águas de um pequeno rio que desemboca por ali. A alimentação é garantida por peixes frescos, assados em pequenas barracas de madeira que servem de apoio para quem chega.

O mais sábio é que se planeje os trekkings em dias alternados, para repor as energias e explorar as belezas da paisagem. Afinal, caminhar por dunas é diferente de fazer trilhas em mata fechada, protegidas do sol e com umidade elevada, provocando até alguma desidratação.

Conheça mais sobre nossos pacotes e garante o seu lugar neste paraiso natural.

Fonte: Turismo IG (Adaptado)

Carnaval Dunas de Itaúnas 2012 – 37ª Excursão

Turistas em Dunas de Itaúnas – Quem já foi e curtiu a viagem

Dunas de Itaúnas o Paraíso

Reveillon Dunas de Itaúnas 2011 – 2012 – 36ª Excursão

Projeto Tamar em Dunas de Itaúnas

A base do Tamar em Itaúnas, no município de Conceição da Barra, extremo-norte do Espírito Santo, foi criada em 1991. Monitora 38km de praia (30km no Espírito Santo e oito no extremo sul baiano), limitados pela foz do rio Itaúnas e pelo Riacho Doce, na divisa com a Bahia. A maior parte da área, cerca de 25km, fica dentro do Parque Estadual de Itaúnas, inserido na Reserva da Biosfera da Mata Atlântica e tombado pela Unesco, em 1992, como Patrimônio Natural da Humanidade.

O Parque Estadual de Itaúnas protege 3.500 hectares de diversos ecossistemas associados da Mata Atlântica, como manguezal, restinga e alagados. A região é famosa por sua beleza natural: suas dunas, com até 30 metros de altura; o rio Itaúnas e seus alagados, onde vivem inúmeras aves, lontras e capivaras.

No passado, os moradores viviam entre o rio Itaúnas e o mar, no local onde hoje ficam as dunas. Com o desmatamento da restinga e a força dos ventos, as dunas se moveram cobrindo de areia casas, lojas, a igreja e o cemitério. Aos poucos a população foi se deslocando. Na década de 70 do século passado, a vila já estava no outro lado do rio, seu lugar até hoje. Itaúnas tem sua economia voltada para a pesca artesanal e para o turismo.

A região é sítio de reprodução, principalmente, da tartaruga-cabeçuda (Caretta caretta), embora existam alguns registros de Lepidochelys olivacea e Eretmochelys imbricata. A base é sazonal, funcionando apenas durante a temporada reprodutiva, de setembro a março, protegendo anualmente 80 desovas, com seis mil filhotes.

Caixa Postal 53, Conceição da Barra-ES, CEP 29.960-970 – Conceição da Barra – ES
Tel: (27) 3762-5196 / 5022

Fonte: http://www.tamar.org.br

 

Você sabe o que é Slackline?

Slackline é a arte do equilíbrio dinâmico. Trata-se de uma fita tubular de nylon ancorada em dois pontos fixos. Andar sobre uma “corda-bamba” (nome comumente usado no Brasil atualmente) sempre foi praticado, de uma forma ou de outra, pela humanidade pelo menos há dois mil anos, sempre realizada por acrobatas e pelos mais destemidos. A natureza dinâmica da fita permite com que acrobacias e manobras impressionantes sejam realizadas por quem se aventura em seus diversos e intensos balanços.

A renascença da atividade nos tempos modernos geralmente é associada a dois escaladores de rocha que viviam em Yosemite Valley, Califórnia, no inicio da década de 80. Adam Grosowsky e Jeff Ellington começaram andando em correntes e cabos de estacionamentos, mas logo logo estavam usando suas fitas de escalada para praticar essa atividade. O esporte foi idolatrado por escaladores da região e então levado para todo o resto do mundo por visitantes que tinham contato com a atividade no vale.

A slackline ganha classificações de acordo com a altura e local onde é montada. Os termos lowline (baixa a média altura da fita) e highline (montadas entre precipícios, fendas, depressões, prédios e até pontes) são usados para descrever tais configurações da slackline. No Brasil não existem muitos registros sobre a atividade como esporte, arte ou meditação, mas está sendo cada vez mais difundida à medida que a mídia divulga espetáculos circenses e acrobáticos envolvendo a atividade e mesmo entre grupos que praticam esportes onde o equilíbrio é habilidade fundamental como: Escalada, Mountain Bike, Surf, Skateboard entre outros. Uma boa postura, uma slackline montada próximo ao chão e apoio de amigos nos estágios iniciais de contato com a atividade é fundamental para um desenvolvimento sem lesões e quedas sérias, facilitando o aprendizado.

Em algumas academias de escalada, sempre proximo às áreas de boulder, existem slacklines montadas para os mais ousados praticarem suas manobras, tirando proveito dos salvadores crash-pads… Esse tipo de estrutura barata e de fácil manutenção poderia ser melhor difundida entre nós, escaladores. Bom assunto para outros posts … Vista por alguns como esporte e por outros como arte ou meditação, independente de como a atividade é considerada, ela indubitavelmente desenvolve o senso de equilibrio e aguça sua consciência corporal. No final de toda essa categorização trata-se mesmo é de uma atividade muito divertida e saudável. Deixe seus medos de lado, procure informações sobre o assunto e encontre seu equilíbrio … literalmente!

Veja esse vídeo impressionante!

Fonte: http://www.ripstar.com.br/2010/08/voce-sabe-o-que-e-slackline.html

E ai gostou?

Agora imagine isso curtindo o visual de Dunas?
Nâo da para para perder, venha curtir com gente.

Seja bem vindo

janeiro 8, 2012AdministradorDestaques, NotíciasComentários desativados em Seja bem vindo

Olá Visitante,

Seja bem vindo ao nosso site, em breve você encontrará um grande material sobre Dunas de Itaúnas.

Fique a vontade e volte sempre.

Antenciosamente,

Artur Barcelos